Começa na próxima segunda-feira (8), em todo o Brasil, a Semana do MEI, evento direcionado a quem deseja se tornar um microempreendedor individual e a quem já está em atividade e quer formalizar e melhorar o próprio negócio. A ação é gratuita e será realizada até o dia 12 de maio (sexta-feira) pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), em 15 municípios de Mato Grosso do Sul. Em Campo Grande, acontece das 8h às 17h, na Praça Ary Coelho.

O evento na Capital vai contar com 75 atividades presenciais –entre palestras e oficinas–, além de orientações on-line, por meio do “Fale com um Especialista”, e Papos de Negócio e Facebook Live, disponíveis mediante cadastro no Portal do Sebrae. As inscrições para as capacitações presenciais serão realizadas na hora e as vagas são limitadas. A instituição orienta os interessados para que cheguem ao local com antecedência para garantir lugar nas salas.

Quem visitar o espaço do Sebrae na Praça Ary Coelho terá informações sobre como se tornar e regularizar o MEI, além de receber dicas para buscar recursos financeiros, controlar o dinheiro, formular o preço de venda, comprar melhor e vender pela internet. Também haverá atendimento com instituições financeiras para apresentação de opções de crédito, e tira-dúvidas com o Corpo de Bombeiros e a Vigilância Sanitária. “É fundamental que o microempreendedor individual busque informações confiáveis e de especialistas, para que desempenhe suas atividades de forma legal, segura e competitiva”, destaca o superintendente do Sebrae em Mato Grosso do Sul, Cláudio Mendonça. Segundo o Portal do Empreendedor, existem hoje 100,4 mil MEIs no Estado, 42.639 estão em atividade na Capital.

Para ser um microempreendedor individual é necessário faturar no máximo R$ 5 mil em média por mês e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. Pode-se ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.

O MEI é automaticamente enquadrado no Simples Nacional e está isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL). Assim, paga apenas o valor fixo mensal de R$ 47,85 (comércio ou indústria), R$ 51,85 (prestação de serviços) ou R$ 52,85 (comércio e serviços) –destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS–, montante atualizado anualmente, conforme o salário mínimo.