Expectativa é a de que o comércio sul-mato-grossense movimente cerca de R$ 70 milhões durante o Dia das Mães, 13% a mais que no período anterior (Foto: Valentin Manieri)

Expectativa é a de que o comércio sul-mato-grossense movimente cerca de R$ 70 milhões durante o Dia das Mães, 13% a mais que no período anterior (Foto: Valentin Manieri)

O Dia das Mães promete injetar R$ 70 milhões na economia de Mato Grosso do Sul, 13% a mais que no ano passado (R$ 61 milhões), sendo que 66% dos consumidores pretendem ir às compras no período.

É o que mostra a pesquisa de intenção de compras para o Dia das Mães do IPF-MS (Instituto de Pesquisa Fecomércio), realizada em parceria com o Sebrae-MS. De acordo com o estudo, entre os elementos levados em consideração durante a compra, o que mais aparece é a qualidade do produto (28%), seguida dos itens preço e atendimento.

O levantamento aponta que a média de gasto por presente no Estado passou de R$ 129,46, em 2016, para R$ 135,27, neste ano. Levando em conta –além da compra de presentes– as comemorações envolvendo a data, incluindo gastos com alimentação, bebidas e viagem, a movimentação financeira pode chegar a R$ 108 milhões.

“As expectativas superam, pelo menos em relação ao ano passado, 13% da receita gerada com as compras de presentes. Em termos de comemoração e presentes, há uma movimentação estimada de R$ 108 milhões, o que é algo bastante significativo”, aponta a economista do IPF-MS, Daniela Dias Teixeira.

A especialista refere-se, entre outros aspectos, à movimentação em supermercados e à venda de bebidas, cosméticos e vestuário, principalmente. Segundo ela, a estimativa de valor dos presentes, que subiu de R$ 129 para R$ 135, contribuiu para a alta (13%) da receita estimada.

A pesquisa foi realizada em 13 municípios do Estado, com 2.175 pessoas, e o destaque coube a Aquidauana, que considerou que a situação econômico-financeira está melhor na comparação com o ano passado. “Consequentemente, isso repercutiu nos valores gastos com presentes”, acrescenta Daniela.

Sobre a forma de pagamento, a maioria quer pagar à vista (46% dos entrevistados). “Ainda estamos em um momento de instabilidade econômica, apesar de indícios de uma reação, que acontece muito lentamente”, explica Daniela. Em seguida, dos que já decidiram a forma de pagamento, 11,13% vão parcelar as compras.

Quando as expectativas melhoram, as escolhas acabam se alterando

Sobre o principal elemento levado em consideração durante a compra –a qualidade do produto–, a economista diz que essa tendência começou a se modificar a partir do segundo semestre de 2016, quando a qualidade tornou-se mais importante que o preço.

“Isso pode estar muito relacionado à questão dos indícios de uma possível recuperação da economia. Quando as expectativas melhoram, também essas escolhas acabam se alterando.”

Conforme o levantamento, os campo-grandenses pretendem gastar R$ 122 por presente, alta de 3% em relação a 2016. Entre os consumidores do Estado, os presentes mais visados são vestuário e perfumes (26%) ou cosméticos (14%).

O índice daqueles que ainda não definiram a lembrança é de 26%. A região central continua sendo o local preferido para as compras, opção de 53% dos entrevistados.

Quase metade dos consumidores vai às compras na semana da data

A pesquisa mostra ainda que 49,47% dos consumidores vão às compras na semana em que se comemora o Dia das Mães. Além disso, 3,72% afirmam que não sabem se vão comprar e 5,42% não definiram se vão comemorar a data. “É aí que entram os empresários, que podem adotar as estratégias relacionadas a qualidade, atendimento e preço, para tentar captar essa fatia que está indecisa”, completa a economista.


Quase 90% dos campo-grandenses vão às compras, segundo a ACICG

Pesquisa realizada pelo Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande, em parceria com a ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande), revela que 88% dos entrevistados pretendem comprar presentes para o Dia das Mães, e destes, mais da metade (51%) vai gastar entre R$ 80 e R$ 190. Perfumes e cosméticos são a preferência de 36%. Enquanto isso, 33% dos entrevistados afirmam que comprarão vestuário para presentear na data especial, e 17% vão optar por calçados. O tíquete médio, segundo o levantamento, é de R$ 95 na Capital.

Em relação à forma de pagamento, 39% dos entrevistados afirmam que pagarão com o cartão de crédito, 37% em dinheiro, e 10% pagarão com cartão de débito, totalizando 47% de movimentação imediata no comércio de Campo Grande. A maioria dos consumidores (38%) pretende comprar seus presentes nas lojas do centro da Capital e nos shoppings, 7% em lojas localizadas nos bairros e 7% não haviam escolhido o local da compra.

A pesquisa confirmou ainda que o maior período de movimento no comércio será de 7 a 13 de maio. Da amostra, 34% alegaram que só comprarão seus presentes na semana que antecede a data, 24% afirmaram que comprarão uma semana antes, 21% adquirirão na véspera, e 9% no dia 14. Outros 10% visitarão o comércio até o dia 6, e 2% após o Dia das Mães.

“Esta é a segunda melhor data para o varejo, ficando atrás somente do Natal. A expectativa dos empresários é grande, pois precisamos recuperar as vendas que foram prejudicadas no mês de abril, em razão dos dois feriados em dias úteis e da greve”, disse o presidente da ACICG, João Carlos Polidoro.

A pesquisa de intenção de compra para o Dia das Mães foi produzida entre os dias 3 e 20 de abril, com entrevistas de 648 pessoas, em sete regiões da Capital. (RC com assessoria)