No cruzamento das ruas Assunção com Vera Cruz, no Parque Residencial Rita Vieira –região leste de Campo Grande–, moradores colocaram placas em protesto contra buracos que existem no trecho, reivindicando que a prefeitura tome alguma atitude em relação ao problema. As placas estão desde o começo da semana.

O vendedor Hudson Fernandes relata que presenciou dois acidentes recentemente na via. “Vi um carro perder uma roda aí e já vi um motoqueiro tomar um tombo no domingo de manhã.”

Já a autônoma Ana Queiroz teve prejuízo ao passar pelo local. O para-choque do carro foi danificado e ela terá de arcar com uma conta de R$ 500. “Num dia de chuva muito forte, mais ou menos no fim de fevereiro, soltou um pedaço enorme do asfalto dali que bateu no meu para-choque.”

Segundo a dona de casa Jaqueline Semler, a situação piora quando chove. “Fica bem perigoso, porque tem alguns moradores que jogam terra ali para tampar e quando chove aquela terra sai.”

Camila Ferreira, que é empresária, conta que já presenciou acidentes que ocorreram por causa da chuva. “Semana retrasada eu vi uma menina caindo de moto; ela foi desviar, desequibilibrou e bateu a moto em um carro, e ela até machucou a perna.”

Moradora conta que foi assaltada por adolescente de 12 anos em veículo

Outro problema que afeta o bairro é a insegurança. De acordo com os moradores, não há policiamento no local. Jaqueline Semler tenta se proteger com câmeras de monitoramento e possui dois cachorros, mas conta que ainda assim corre risco. “Eu reparei que um cara ficava passando e ficou colocando a mão nas grades para testar os meus cachorros.”

A vizinha foi assaltada. “Ela viajou e de um dia para o outro fizeram a limpa. Como que eles ficam sabendo que ela viajou? Ela havia viajado durante a tarde e, no outro dia, ela chegou e já não tinha mais nada na casa”, contou Jaqueline.

Ela relata que foi assaltada por um adolescente nas proximidades de sua casa. “Fui assaltada em uma sorveteria aqui perto, por um gurizinho de 12 anos que estava dirigindo e estava junto com um adolescente maior que ele.”

Para Hudson, no bairro falta policiamento. “Toda semana, duas ou três residências são assaltadas, inclusive no período da manhã e da tarde.”

Segundo a assessoria da prefeitura, os serviços de tapa-buraco serão executados neste mês no bairro. Já quanto à segurança, a reportagem procurou a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), mas até o fechamento desta matéria ela não se posicionou.