Uma mulher de 58 e a filha de 26 anos foram amarradas e feitas reféns em sua residência, no bairro Moreninhas –região sul de Campo Grande–, por três homens armados. O fato aconteceu na noite de segunda-feira (3) e os vizinhos estranharam a situação e se movimentaram em frente da casa, o que assustou os assaltantes, que fugiram.

Segundo o boletim de ocorrência, por volta das 20h, o trio invadiu a casa e anunciou o assalto à mulher. Eles amarraram mãos e pés da moradora com cordas. Pouco depois, a filha, que estava na academia, foi avisada por vizinhos do que estava acontecendo e, ao chegar, também foi surpreendida pelos bandidos.

“Quando eu cheguei eles já abaixaram minha cabeça e amarraram a gente, me especulando, perguntando onde eu morava e eles ameaçavam a gente a todo momento, querendo a chave da caminhonete. Eu disse que estava com o meu marido e que ele já estava chegando, mas eles ficaram mais agressivos ainda porque eu estava mentindo”, contou a filha.

Além das vítimas, mais duas crianças estavam na residência na hora do crime. O filho da jovem, de 6 anos, e seu sobrinho, de 5. Ela conta ainda que, assustadas, as crianças começaram a chorar muito, momento em que os bandidos chegaram a apontar a arma para elas, ordenando que calassem a boca.

A situação causou a estranheza dos vizinhos, que suspeitaram do roubo. Cerca de 10 moradores iniciaram a movimentação e chamaram atenção do trio. Com medo, eles fugiram da residência, levando apenas um par de brincos, cujo valor não foi divulgado, e a chave de uma caminhonete Toyota Hilux.

PM encontrou veículo usado pelos suspeitos nas proximidades do local

As vítimas informaram à polícia que os bandidos disseram que queriam levar a jovem como refém, para posteriormente pedir o resgate, mas, com a movimentação dos vizinhos, desistiram. Os moradores ainda anotaram a placa do carro que os bandidos utilizaram durante o roubo.

Já na manhã de ontem, a Polícia Militar encontrou o veículo usado pelos suspeitos, indicado pelos moradores, nas proximidades. O condutor foi levado para a delegacia e ele foi reconhecido como um dos assaltantes, porém amigos disseram que ele estava em outro local no momento do crime, e ele foi liberado.

No entanto, a vítima afirmou reconhecer o jovem. Ela contou ainda que, entre os três, ele era o mais calmo. “Dois estavam com uma máscara branca e ele sem. Os três estavam armados e nos ameaçavam, mas ele era o mais calmo, não gritava muito”, lembrou.

O carro está apreendido no pátio da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga e o caso foi registrado como roubo majorado pela restrição da liberdade da vítima. O crime será investigado pela Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos) e segue em segredo de justiça.