O governo do Estado solicitou ao Ministério da Justiça a transferência de 22 presos de Mato Grosso do Sul, considerados de lideranças negativas, para presídios federais. Sete dos pedidos já foram deferidos pelo Poder Judiciário, 4 indeferidos e 11 ainda estão em análise.

A informação foi passada pelo ministro Alexandre de Moraes, durante entrevista coletiva na noite de segunda-feira (9).

Segundo o diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Ailton Stropa, os pedidos são referentes ao ano passado e a transferência é comum quando identificada a necessidade de isolar lideranças negativas, desarticular comandos ou mesmo garantir a integridade física de presos.

As solicitações estavam pendentes e o pedido era para que elas fossem reanalisadas. Os quatro pedidos indeferidos ainda terão nova solicitação. As transferências só ocorrem após autorização do corregedor dos presídios federais. A identidade dos presos não foi informada por questões de segurança, segundo a Agepen.

Outros seis Estados pediram ajuda ao Ministério da Justiça. As solicitações são para equipamentos e armamentos para os presídios, além do envio de tropas da Força Nacional, para auxiliar no policiamento no Amazonas e em Roraima.

Na semana passada, detentos do PED (Presídio Estadual de Dourados) –a 228 km de Campo Grande– iniciaram um motim com medo de um pacote que foi arremessado para dentro da penitenciária durante a noite por um drone. Os presos arrebentaram pelo menos 100 cadeados de 60 celas e se abrigaram no pátio da unidade.

O fato aconteceu dias depois da rebelião no presídio de Manaus (AM), que terminou com um saldo de 60 detentos mortos. O PED é a maior unidade prisional do Estado. A Penitenciária de Segurança Máxima da Capital vem em segundo lugar.